A importância do aprendizado entre dar e receber

0
574
Imagem: Moilanen / Shutterstock

Prosperidade e felicidade. A nossa vida gira em torno de esses dois conceitos. São ideias subjetivas e que aparentam – erroneamente – que não podem ser alcançadas por qualquer um, mas posso provar o contrário.

Para alcançar a prosperidade, é preciso saber dar e receber com a mesma intensidade, sem cobranças. É preciso ter em mente que tudo o que você recebe, é porque você merece – seja isso um aumento de salário, um presente do seu parceiro(a) ou uma lembrança de um amigo. Se você não se sente bem, ou para você não é natural receber um presente ou uma boa ação, é porque está com algum outro problema: você acha que não merece as coisas.

E é aí que mora o problema. Pessoas que têm dificuldade em receber, também apresentam dificuldade em prosperar. Porque você pode oferecer, mas não pode receber? É preciso que haja essa troca. É isso o que torna um relacionamento saudável.

A relação deve seguir em acréscimo – mas um acréscimo natural. “Um parceiro dá ‘x’, o outro dá ‘x+1’, o outro responde com ‘x+2’, e assim por diante, de uma forma natural, sem excessos. Porém, pessoas que apresentam dificuldade em receber, costumam dar demais – e isso faz com que comece a surgir um déficit na relação.

Você doa demais, recebe pouco – o que, na verdade, não é pouco, é o “normal”, – começa a ficar insatisfeito com o relacionamento e se torna crítico com o outro, começa a encontrar defeitos e problemas na relação – problemas esses que nunca lhe incomodaram. Você sente que precisa compensar essa “falta” de alguma forma – e faz isso criticando o outro, e não aprendendo a receber.

Por outro lado, quando você dá demais, pode acabar por infantilizar o outro, se tornar o “pai” ou “mãe” do companheiro. E isso faz com que ele procure outra pessoa para suprir o papel de namorado ou namorada.

Outra questão bastante comum observada por pessoas que dão demais, é que elas são consideradas arrogantes: “Porque você dá demais e não se permite receber? Você é tão bom assim que ninguém pode te ajudar da mesma maneira que você ajuda os outros?”. A arrogância nasce em se acreditar que só o que vem através de você é bom.

Ressalto que a única relação que tem essas características e sobrevive, é a relação entre pais e filhos. Essa é conhecidamente uma relação desigual: eles dão muito e nós não retribuímos a altura. Eles deram – e continuam dando – a vida por nós. Nos educaram e nos deram tudo o que precisávamos. Essa é quase uma relação hierárquica, na qual eles estão acima de nós.

Portanto, se você não quer virar pai ou mãe do seu parceiro, entenda a importância de dar e receber com a mesma naturalidade e mesma medida. Aqueles que dão demais, ou aqueles que são egoístas demais não vêem a vida prosperar. Ela simplesmente trava, no aspecto afetivo, financeiro, seja o que for. O plano é aprender a receber e a merecer. E, se você quer merecer, se responsabilize pelos seus desejos. Para aqueles que não se doam: ser egoísta não vai levar a nada. Como já dito anteriormente, é preciso uma via de duas mãos, em que os dois estejam em harmonia e aceitem e se doem.


João Alexandre Borba é psicólogo e coach.

https://www.facebook.com/joaoalexandre.c.borba

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here