Asma pode atingir até 40 milhões no Brasil

0
319
Imagem: Silviarita / Shutterstock

Asma, os riscos da doença que mata 3 pessoas por dia, não tem cura e é a quarta causa de internação hospitalar.

A asma, inflamação crônica das vias respiratórias, mata três pessoas por dia no Brasil, segundo dados do Ministério da Saúde. É a quarta causa de hospitalizações do SUS, com 100 mil internações. Estima-se que até 40 milhões de pessoas (20% da população) apresentem alguns dos sintomas da doença: falta de ar, chiado e aperto no peito, tosse seca e/ou persistente. Dessas, estima-se que até 10 milhões de pessoas não têm sequer diagnóstico médico para confirmar ou não se são portadores de asma. A organização Iniciativa Global Contra Asma no Brasil (GINA no Brasil) lança campanha para aumentar a conscientização sobre riscos à saúde e erradicar as mortes provocadas pela doença. Lembrando que dia 21 de junho é o Dia Nacional de Combate à Asma, data que coincide com a chegada da estação mais fria do ano, quando os casos tendem a se agravar.

“Quem apresenta sintomas, é fundamental procurar ajuda médica fazer um diagnóstico correto e um tratamento adequado”, afirma o pneumologista Rafael Stelmach, e um dos principais especialistas no assunto. “O mais alarmante é que as mortes e muitas das internações poderiam ser evitadas”.

A campanha faz um alerta: “Asma não é brincadeira”. Não é frescura. Não tem cura. Somente quem já passou por uma crise sabe o que é “sentir que um elefante sentado sobre o peito”, diz o vídeo. A intenção é conscientizar que a asma é uma doença crônica que precisa de atenção permanente por parte dos pacientes. Para isso, ao longo de cinco meses, a Gina no Brasil vai realizar uma série de vídeos informativos, posts, e teasers que podem ser acompanhados pelas redes sociais da organização. Um dos destaques da campanha são os depoimentos reais de pessoas falando sobre o que sentem durante uma crise. Quem quiser mais informações ou enviar seu depoimento, basta acessar a página www.facebook.com/GinanoBrasil

O vídeo da campanha pode ser visto no link https://youtu.be/J7UaBAKoqzs

Perguntas e Respostas sobre ASMA
As respostas foram retiradas dos vídeos e os médicos especialistas são voluntários que fazem parte da organização.

O que é asma?

Asma é o nome científico para uma inflamação crônica das vias respiratórias. É uma doença que não tem cura pela sua origem alérgica e familiar; por isso, precisa ser acompanhada e tratada por toda a vida do paciente. Pode causar o estreitamento dos brônquios, provocando broncoespasmos e a obstrução do fluxo de ar. Em casos mais graves, pode haver o impedimento da passagem de ar pelo sistema respiratório.

Quais são os principais sintomas?

Os principais sintomas são a falta de ar, chiado no peito, aperto no peito, tosse seca e/ou persistente. Muitas vezes, pode ser confundida com gripes mal curadas ou bronquites simples. Uma das suas principais características é que os sintomas são recorrentes, ou seja, reaparecem conforme o asmático entra em contato com fatores agravantes.

O que causa a asma?

A doença não tem uma causa única. Mas pode ter origem alérgica (ácaro, perfume, mofo, poluição pode agravar os sintomas), familiar (as chances são maiores de alguém da mesma família ter a doença). Estima-se que 80% dos casos são hereditários. “Há casos de asmáticos que nasceram com a doença, mas só descobrem na vida adulta”.

Qual o cenário da asma no Brasil?

A falta de informações corretas e a conscientização por parte dos pacientes e dos próprios médicos estão entre as principais dificuldades para reduzir o número de mortes, hospitalizações e internações. Três pessoas morrem por dia no Brasil, é a quarta causa mais frequente de hospitalizações no SUS e a terceira quando se refere a crianças e jovens. Por isso, é fundamental divulgar informações corretas sobre a doença e os tratamentos disponíveis.

Quais são os tratamentos?

A asma é tratada de acordo com sua gravidade (intermitente e persistente) e controle (controlado ou não). Como é uma doença crônica, exige o uso contínuo de antiinflamatórios (classe dos corticóides), geralmente administrados em forma de bombinha, que servem para prevenir os sintomas e manter a qualidade de vida do paciente. Nos momentos de crise, no entanto, é preciso recorrer aos broncodilatores para dar um alívio respiratório, mas que não devem ser de uso contínuo, pois não combatem a inflamação. É fundamental não confundir o uso, pois os dois medicamentos são vendidos em forma de bombinhas. Adultos e crianças (acima e abaixo de 5 anos) têm doses diferentes de uso. Sempre consulte seu médico, pois o tratamento necessita de acompanhamento.

Qual a diferença entre asma e bronquite?

A bronquite é um termo genérico para a inflamação dos brônquios, que é o sistema de canais que levam o ar para o dentro do pulmão. Existem vários tipos de bronquite – e a asma é uma delas. Diferente dos outros tipos, a asma não tem cura, mas que se tratado corretamente faz com que o paciente tenha uma vida normal.

Qual a relação da asma e rinite?

Geralmente, a rinite (inflamação na mucosa do nariz) e a asma estão associadas. Cerca de 80% dos asmáticos têm rinite (causa, espirros, coceira no nariz, obstrução nasal e secreção). As duas doenças são inflamatórias e têm causas comuns. “Quem não tratar a rinite pode agravar a asma”, afirma o alergista Fábio Morato Castro, do Hospital das Clínicas.

Existe algum exame que faça um diagnóstico?

Um clínico geral pode diagnosticar a doença conforme os sintomas apresentados pelo paciente, basta lembrar da recorrência de sintomas e a predisposição alérgica. Sim, existe um exame específico chamado função pulmonar (espirometria), que mede a capacidade do sopro do paciente. O exame é importante para avaliar a gravidade da asma e seu tratamento.

Existe prevenção contra asma?

Para quem mora em grandes cidades é praticamente impossível ficar longe de poluição, ácaro, fumaça – e outros agentes alérgicos que provocam a crise de asma. Mas é importante manter a limpeza do ambiente doméstico, principalmente o quarto, para evitar acúmulo de poeira (ácaro). Outros cuidados são: não ter fumantes dentro de casa, evitar uso de produtos de limpeza com cheiros fortes, ambientes com umidade e animais, principalmente no quarto de dormir.

Asma tem cura?

Assim como diabetes, a asma não tem cura. O mais comum é o paciente ter a doença e não ter sido diagnosticado corretamente. Em casos mais severos, o asmático pode parar na UTI com quadros de insuficiência respiratória. Por isso, é importante fazer o diagnóstico quanto antes para realizar o tratamento adequado.

A asma pode matar?

Sim. Em casos graves e sem tratamento, o paciente pode ter uma inflamação aguda que leva ao fechamento total dos brônquios do pulmão. Três pessoas morrem por asma no Brasil todos os dias.


Dr. Rafael Stelmach é pneumologista do Hospital das Clínicas e coordenador da GINA no Brasil e um dos principais especialistas no assunto. A Iniciativa Global Contra Asma (GINA) é uma ONG internacional, com sede no Canadá, que reúne os principais especialistas da doença no mundo para apresentar as estratégias de combate mais eficazes e comprovadas cientificamente. No Brasil, é formada por profissionais de saúde voluntários que pretendem divulgar o conhecimento sobre asma entre profissionais de saúde que atuam no tratamento da doença, além de oferecer aos pacientes e seus familiares acesso a importantes informações que lhes auxiliem no controle da doença.

DEIXE SEU COMENTÁRIO