No florescer das cinzas, o renascer de uma nova vida

0
1665
Imagem: JillWellington / Shutterstock

Nascimento, morte e renascimento são um único processo dentro de uma mesma vida. Nossas experiências, vivências, emoções e sentimentos não estão somente em nossa memória recente, mas também naquela mais profunda e que interconecta consciente e inconsciente.

Morremos e renascemos muitas e muitas vezes. O que era apropriado e atribuído por nós como legítimo, muitas vezes não espelha mais nossas convicções e não se alinha no momento com nossas necessidades existenciais. E então, precisamos florescer das cinzas para criar novos direcionamentos, novas razões, sentidos e propostas. Em outras palavras, para criar e apoderar-se de uma nova vida, aquela que desejamos.

Cada dia é um recomeço, em que nos é dada uma nova oportunidade de fazermos diferente. Este é um momento de reflexão sobre a nossa vida, para nos desvencilharmos do que nos prejudica, nos causa sofrimento, dor ou pesar. Desapeguemo-nos de tudo aquilo que não nos valoriza, pois apego é causa de muito sofrimento. Deixemos partir aquilo que não nos corresponde; que não é mais ou porventura nunca foi. Não carreguemos conosco o que é morto, deteriorado, passado e (ultra)passado. A vida é rica e com novas raízes vem novas flores, novos perfumes e outros ornamentos. Nascimentos são factíveis, mortes são irremediáveis e renascimentos são imprescindíveis. Em nossa fragilidade existencial, atualizações sempre resultam em um certo estranhamento com relação ao que um dia fomos, de nossas antigas escolhas, atitudes e comportamentos do passado. Isto porque vida é feita de pequenos paradoxos que se complementam harmonicamente: construção e desconstrução; chegada e partida; começos e términos; atividade e contemplação, o eterno retorno de tudo o que existe. O vazio e a completude, o tudo e o nada característicos da condição humana.

As coisas vão se transformando, e o “destino” também, pois somos seres infinitos como parte integrante do universo que é vida em movimento. Tantas vezes nos surpreendemos com nossa mudança de rota de tudo o que era certeza absoluta.

Quais certezas carregamos conosco se as coisas são mutáveis, inclusive nós? Lamentações e sentimento de culpa por possíveis erros para conosco e com os outros podem surgir destas certezas ultrapassadas. No entanto, são comportamentos contraproducentes que tem um destino certo: a infelicidade. Nunca confunda culpa com responsabilidade. Desenvolva sua auto responsabilidade pois a maior rejeição que existe é o não-cuidado consigo mesmo, é a auto rejeição. Portanto, liberte-se de culpas, medos e frustrações. Em seu renovo de vida, faça da positividade o seu foco, da auto responsabilidade sua filosofia de vida e da gratidão sua bandeira da paz e abundância.

Que possamos nos lembrar que teremos dias de chuva, sol, de céu sem estrelas ou de eclipses lunares. Mas tudo passa. E é este estado de impermanência que enriquece os nossos aprendizados e nos tornam experientes; com dores e alegrias, companheiras inseparáveis neste caminho que trilhamos com pés descalços, muitas vezes desesperançosos, cansados e calejados das batalhas da vida.

Mas porque trilhar caminhos, se poderemos criar asas e alçar novos voos?

Inspirado no livro Fechamento de ciclo e renascimento.

 

Soraya Rodrigues de Aragão
Psicóloga, Psicotraumatologista, Expert em Medicina Psicossomática e Psicologia da Saúde. Escritora e palestrante. Conselheira terapêutica em violência entre parceiros íntimos capacitada pela Universidade Federal de Santa Catarina. Estudante de Sexologia. Pesquisadora em Transtornos de Ansiedade e especialista em Transtornos de Pânico. Equivalência do curso de Psicologia na Itália, resultando em Mestrado. Especializou-se em Psicotraumatologia pela A.R.P. de Milão e em Medicina Psicossomática e Psicologia da Saúde em Madri. Sócia da Sociedade Italiana de Neuropsicofarmacologia. Autora dos livros Fechamento de ciclo e renascimento - Este é o momento de renovar sua vida; Edições Vieira da Silva, Lisboa, 2016, Supere Desilusões amorosas, Edições Vieira da Silva, Lisboa, 2019 e Liberte-se do Pânico e viva se medo! 2019.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here