Cinco erros mais comuns no banheiro que ajudam a proliferar bactérias

0
322
Imagem: cocoparisienne / shutterstock

Alguns hábitos que devem ser mudados para redução da presença de germes no banheiro, evitando doenças.

Manter o banheiro limpo e organizado não é tarefa simples. E como ter a certeza de que o ambiente em constante contato com todo tipo de germes estará sadio, ainda mais sendo utilizado diversas vezes ao dia?

É possível minimizar a presença de microrganismos nocivos à saúde com bons hábitos de higiene. Para dar uma força nesta tarefa, o biomédico e microbiologista Roberto Figueiredo, conhecido como Dr. Bactéria, aponta os erros mais comuns. E o melhor: como rever os hábitos e acertar no cuidado deste recinto.

1 – Dar descarga com a tampa aberta

Sobre este erro clássico, que a maioria das pessoas comete todos os dias: “quando se dá descarga sem fechar a tampa do vaso, os microrganismos se espalham pelo banheiro todo. Os germes podem chegar a 2 m de altura, ficando por duas horas no ar, contaminando escovas de dentes e outros objetos”.

2 – Uma só esponja para tudo

A premissa inicial é não usar a mesma esponja em ambientes diferentes, mas quando se quer reduzir ao máximo a presença de bactérias, o ideal é manter duas esponjas para o banheiro. Uma para a limpeza da pia e outra para a limpeza do assento e da parte externa no vaso sanitário. Para o interior, o especialista indica a escova sanitária, que deve ser usada diariamente. “O melhor tipo de esponja para a limpeza é a com íons de prata, pois esta tecnologia inibe a proliferação de bactérias, fungos e outros tipos de germes”.

3 – Esvaziar a lixeira só quando estiver cheia

A lixeira do banheiro deve ser esvaziada todos os dias, mesmo que não esteja cheia. Ao realizar a troca, é importante desinfetar com água sanitária ou com algum desinfetante doméstico. Outra dica é sempre optar por modelos com tampa, evitando as basculantes, aquelas em que é preciso empurrar a tampa com as mãos. Além de não vedar a lixeira, ainda possibilitam frequentemente o contato físico com o lixo. “O ideal é que a lixeira tenha abertura automática.” É recomendado a utilização de sacos para lixo. “Vale colocar uma colher de chá de bicarbonato no recipiente da lixeira e a mesma quantidade dentro do saco plástico, pois o bicarbonato neutraliza odores, evitando a atração de baratas, formigas e moscas.”

4 – Não trocar os tapetes com frequência

Panos ou tapetes devem ser trocados periodicamente e higienizados com desinfetante doméstico (conforme as instruções do rótulo do produto), antes de serem colocados na máquina de lavar. Com relação ao material, o tecido deve ser do tipo que absorve líquidos com facilidade.

5 – Só lavar as mãos após usar o banheiro

As mãos devem ser lavadas antes e depois. “Pense em todas as coisas que fizemos até ir ao banheiro: pegamos em maçanetas, corrimão, barra de ônibus. Entramos em contato com fungos, bactérias e outros germes o tempo todo. Lavando as mãos assim que entrar ao banheiro, evitamos contaminar as áreas íntimas do corpo.” A higienização antes, porém, não elimina a que vem ao final. “Lavar as mãos depois é imprescindível para evitar a transmissão de bactérias dos genitais para terceiros”.


Dr. Roberto Figueiredo, conhecido com Dr. Bactéria é biomédico, microbiologista e embaixador da marca EsfreBom, da empresa Bettanin, que é sediada em Esteio, Rio Grande do Sul, atua há mais de 70 anos no mercado de utensílios de limpeza doméstica. Anualmente, comercializa mais de 350 milhões de itens, buscando constantemente tecnologia e inovação. Referência no mercado, a empresa é líder na categoria vassouras com a marca Noviça e vice-líder na categoria esponjas com a marca EsfreBom, sendo responsável pelas marcas Brilhus, Sanilux e Slow, dedicada à higiene pessoal.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here