A importância da terapia de casal em tempos de COVID-19

0
237
Imagem: karygrabovski / shutterstock

Vivemos um momento difícil para os relacionamentos, por conta da pandemia do coronavírus, que alterou radicalmente a rotina das famílias.

Home office, crianças em casa o tempo todo (já que as aulas presenciais estão suspensas), isolamento social, redução das atividades de lazer, acúmulo de tarefas, queda dos rendimentos, medo, incerteza quanto ao futuro, luto – tudo isso têm aumentado enormemente os conflitos entre casais. A busca de terapia, nesse cenário, tem um papel ainda mais importante. E a necessidade de manter a quarentena não é nenhum impeditivo, já que, além das sessões presenciais, a maioria dos terapeutas estão disponibilizando atendimentos online.

Porém, muitas pessoas ainda têm dúvidas sobre o que é uma “terapia de casal”, e acabam não procurando ajuda. O desconhecimento faz com que problemas que poderiam ser resolvidos se tornem barreiras intransponíveis, minando de vez um relacionamento, conforme nos apresenta a psicoterapeuta e sexóloga Lelah Monteiro.

Quando um casal deve procurar terapia?

Está errado pensar que o terapeuta de casal só deve ser procurado quando o desacerto entre o casal já está instalado. O ideal seria que, já no namoro e antes dos conflitos, o casal se preocupasse em ter um apoio para manter um relacionamento feliz e sadio. Sim, foi isso mesmo que você leu. Na terapia estabelecemos contratos de forma leve e divertida e não em forma DRs (as famosas “discussões da relação”), tão comuns quando as diferenças ficam evidentes.

Porém, o que comumente ocorre é que os casais só buscam ajuda quando o barco já virou. Quando o respeito e a cumplicidade já não fazem mais parte da dinâmica do casal, embora, em muitos casos ele ainda se ame.

Então, está pensando em morar junto ou casar? Use a terapia para ouvir o outro, se ouvir e, assim, iniciar uma vida nova com todos os “pingos nos is”.

Qual o papel do terapeuta de casal?

O papel do terapeuta é intermediar, de forma imparcial, a conversa do casal, estimulando as duas partes a se expressarem com mais efetividade. Assim são estabelecidos parâmetros de respeito às necessidades de cada um dentro da relação.

A comunicação é a base da terapia conjugal. Leia de novo a frase anterior e não esqueça: a comunicação é a base da terapia conjugal. O casal deve aprender a usá-la de forma objetiva, clara, amorosa, sem levantar a voz, sem repentes, sem acusações ou cobranças. Cabe ao terapeuta conduzir o casal para esse nível de interação.

É um processo difícil?

Sim, para mim, a terapia de casal é a terapia mais trabalhosa. O terapeuta tem que ter muita sensibilidade e muita sabedoria para conduzi-la.

Os resultados são via de regra, muito promissores quando o casal de fato quer melhorar a relação. Não é uma terapia longa, porém nada se resolve num passe de mágica. Mas, se as partes envolvidas realmente quiserem resgatar seu relacionamento, é possível fazê-lo através da terapia presencial ou online. E vale muito à pena.

Quais são as queixas mais comuns na terapia de casal?

Os aspectos mais comuns que levam um casal à terapia são: infidelidade; ciúmes; excesso de cobrança e controle; acirramento das diferenças e das discussões que dela resultam; discordância na forma de educar os filhos; dificuldade no relacionamento com enteados; desequilíbrio financeiro; problemas com familiares dificuldades sexuais como: diminuição da frequência sexual, falta de desejo, dificuldade de chegar ao orgasmo; rotina; desgaste e falta de compatibilidade após anos de união.

A terapia trata também das questões sexuais do casal?

Sim, muitos casais me procuram para melhorar seu desempenho sexual. Embora exista amor entre eles, nem sempre a química na cama é boa. Há casos em que, após alguns anos de matrimônio, a frequência sexual diminui, há um descompasso entre o desejo de um e de outro. Em outras situações, o casal não tinha experiência sexual antes do casamento e não consegue se realizar sexualmente. A chegada dos filhos, o excesso de trabalho, as crises financeiras, e o estresse também são fatores que mudam a dinâmica do relacionamento, e refletem na qualidade do sexo. São muitas e complexas as questões que levam os casais para o divã, mas o importante é que eles as reconheçam e tomem a decisão de enfrentá-las.

Tenho orgulho de ter conduzido muito mais recomeços do que separações. Sim, porque a separação também faz parte também do contexto da terapia. É fundamental buscar ajuda também quando a decisão é pelo rompimento.

Então: a dissolução de uma união envolve muitas questões, além do próprio casal: filhos, pets, patrimônio… É uma “sociedade” que está sendo desfeita e merece uma condução harmoniosa e com o mínimo de danos para todos os envolvidos.

Quais são os requisitos para uma terapia ser bem sucedida?

O compromisso de ambas as partes na terapia e a mudança de hábitos e padrões é fundamental para alcançar os resultados desejados. É preciso haver honestidade e empenho nesta reconstrução.

O que não significa que, em determinados casos, não sejam recomendadas sessões em separado. Na terapia de casal, ajustamos a dinâmica do relacionamento, não as questões individuais. Alguns casais finalizam a sessão com sucesso e retornam depois de algum tempo para melhorar essas questões de forma pontual.

Não custa lembrar que o sigilo profissional é a premissa de todas as terapias. Além disso é importante que as questões do casal sejam tratadas somente no consultório. Nada de expor o parceiro em conversas com familiares ou amigos.

E se houver resistência de uma das partes à terapia?

É comum um dos cônjuges resistir à terapia, acreditar que tudo “é uma fase”, e que os problemas com o tempo se resolverão sozinhos. Este é um dos grandes erros que os casais cometem. Como já disse anteriormente, com o tempo as questões pequenas ficam gigantes e o desgaste se torna inevitável.

Ah, e não caiam no erro de substituir a terapia por uma viagem a dois, por acessórios para apimentar a relação, por uma mudança de casa ou por ter filhos. Nada disso ajudará a resolver a situação.

Terapia de casal é muito cara?

Agora eu que te pergunto: o que é mais caro – um divórcio, uma vida infeliz, desentendimentos frequentes, ou uma terapia?


Lelah Monteiro é sexóloga, psicanalista e fisioterapeuta. Atua em seu consultório em São Paulo como educadora sexual; terapeuta de casais, de família e sexual. Especialista na área de violência, abuso e exploração sexual. Hipnóloga clínica voltada para o cuidado de disfunções sexuais e fobias. Palestrante, aborda de maneira leve e acessível temas considerados muitas vezes como tabus. www.lelahmonteiro.com.br

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here