Especialista em Inteligência Emocional revela como lidar com o luto

0
375
Imagem: StockSnap / Shutterstock

Grandes tragédias deixam marcas profundas nas vidas de pessoas afetadas

Recentemente temos encarado duras notícias de tragédias, sofrimentos e mortes em nosso País. Exemplo disso é o caso da barragem da mineradora Vale, em Brumadinho, que se rompeu e causou uma avalanche de lama e rejeitos de mineração na cidade, deixando uma enorme perda, com mais de 110 mortes confirmadas e ao menos 279 desaparecidos. Outro fato recente que chocou os brasileiros foi o incêndio na base do Flamengo, que ocasionou a morte de 10 jogadores e ocasionou graves lesões em outros três, ainda sem esclarecimento do ocorrido.

Segundo o especialista em inteligência emocional, Rodrigo Fonseca, embora a morte seja a única certeza da humanidade, lidar com ela provoca uma dor intensa, gera um sentimento de revolta e traz um vazio interno profundo. “De acordo com a psicologia, tragédias que mobilizam milhões podem deixar as pessoas mais vulneráveis a transtornos emocionais como a ansiedade e a depressão. Sobreviventes de acidentes ou pessoas que perderam alguém nessa situação podem sofrer efeitos ainda mais intensos, já que é comum reviver as emoções do ocorrido, as sensações de medo, impotência e impossibilidade de fazer algo”, explica.

Vivenciar o luto e suas fases é essencial para aprender a conviver com a ausência e a saudade, e seguir em frente. Não existe um tempo exato para essa experiência, pois ela varia de acordo com cada indivíduo e situação. Conheça as fases do luto e suas vivências, explicadas por Rodrigo Fonseca:

– Negação

Esse momento é marcado pela dificuldade em acreditar que o fato realmente aconteceu. A dor é intensa e existe uma grande dificuldade para lidar com a perspectiva de um futuro sem a(s) pessoa(s) que se foi(foram).

– Raiva

Ao perceber que o fato realmente aconteceu e não existe nada que possa ser feito a respeito, é comum sentir uma grande revolta. Quando a pessoa percebe que não é possível reverter a situação, a tendência é que a dificuldade em se conformar seja canalizada em raiva.

– Negociação

É nesta fase que a pessoa tenta aliviar sua dor e começa a fazer algumas ponderações, imaginando possíveis soluções e fazendo “acordos” internos. Essa negociação acontece dentro da própria pessoa e, muitas vezes, é voltada para questões religiosas.

– Depressão

Geralmente é a fase mais longa do processo, e é caracterizada por um sofrimento intenso. Essa etapa é marcada por uma sensação de impotência, desesperança, culpa e melancolia, sendo comum que a pessoa precise de um período de isolamento e apresente uma grande necessidade de introspecção.

– Aceitação

Nesse último estágio, a pessoa consegue ter uma visão mais realista e passa a aceitar o fato. O desespero em relação à perda dá lugar para uma maior serenidade, e o indivíduo começa a enfrentar a saudade com mais consciência.

Não se culpar quando se perde alguém é um passo importante para a “cicatrização” dessa ferida. “Nesse momento é importante ter em mente que nenhuma relação é perfeita e que as falhas cometidas não significam falta de amor. Entenda que você fez o que foi possível diante de cada circunstância e não se torture pelo que não foi possível fazer. Faça todos os ajustes possíveis para aprender a conviver com a ausência da pessoa. Mude alguns hábitos e crie maneiras positivas de enfrentar a saudade — como iniciar um curso, fazer um trabalho voluntário ou ir viajar por um período. Procure algo que proporcione prazer e traga uma sensação de preenchimento. Mesmo convivendo com a dor, é possível ser feliz encontrando motivação em atividades produtivas”, revela.

Cuidar das próprias emoções é muito importante durante o luto, permitindo que o indivíduo encontre coragem e força para recomeçar.


Rodrigo Fonseca é Comunicador social graduado pela Universidade de São Paulo (USP), Mestrado e Doutorado em Neuromarketing na Flórida Christian University (em curso), presidente e fundador da Sbie – Sociedade Brasileira de Inteligência Emocional. É autor do livro “Emoções – a Inteligência Emocional na Prática”, “21 Chaves para Realização Pessoal” e “Inteligência Emocional para Pais”. Membro da International Society for Emotional Intelligence, criador da primeira Formação de Inteligência Emocional do Brasil e da Sbie Academy. http://www.sbie.com.br

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here