O coronavírus mudará o mundo permanentemente

0
569
Imagem: Bernat Armangue

Um novo vírus global que nos mantém contidos em nossas casas, talvez por meses, já está reorientando nosso relacionamento com o governo, com o mundo exterior e até um com o outro. Algumas mudanças que especialistas esperam ver nos próximos meses ou anos podem parecer pouco familiares ou perturbadoras: as nações permanecerão fechadas? O toque se tornará tabu? O que será dos restaurantes?

Mas os momentos de crise também apresentam oportunidades: uso mais sofisticado e flexível da tecnologia, menos polarização, uma valorização renovada dos ambientes externos e outros prazeres simples da vida. Ninguém sabe exatamente o que virá, mas aqui juntamos algumas possibilidades e maneiras desconhecidas em que a sociedade mudará.

Mesmo com toda as restrições, alguns serviços tentam e outros precisam funcionar.

O padre católico Jesus Higueras, da paróquia de Santa Maria de Cana, é visto em um smartphone durante uma missa de vídeo ao vivo em Pozuelo de Alarcon, nos arredores de Madri, Espanha, em 15 de março de 2020.

Barreiras regulatórias às ferramentas on-line cairão

O COVID-19 varrerá muitas das barreiras artificiais para mover mais de nossas vidas online. Nem tudo pode se tornar virtual, é claro. Mas em muitas áreas de nossas vidas, a adoção de ferramentas on-line genuinamente úteis foi desacelerada por poderosos players, muitas vezes trabalhando em colaboração com burocratas excessivamente cautelosos. O Medicare, que permitiu o faturamento da telemedicina, foi uma mudança há muito esperada, por exemplo, ao revisitar o HIPAA para permitir que mais provedores médicos usem as mesmas ferramentas que todos nós usamos todos os dias para se comunicar, como Skype, Facetime e email.

A burocracia regulatória poderia muito bem ter se arrastado por isso por muitos anos, se não por esta crise. A resistência – liderada pelos sindicatos de professores e pelos políticos que pertencem a eles – de permitir a escolarização em casa parcial ou o aprendizado on-line para crianças de até 12 anos foi varrida por necessidade. Será quase impossível colocar o gênio de volta na garrafa, com muitas famílias descobrindo que preferem estudar em casa, parcial ou totalmente, ou fazer trabalhos de casa on-line.

E embora nem todo trabalho possa ser feito remotamente, muitas pessoas estão aprendendo que a diferença entre ter que colocar uma gravata e se deslocar por uma hora ou trabalhar com eficiência em casa sempre foi apenas a capacidade de baixar um ou dois aplicativos, além da permissão do chefe . Depois que as empresas resolverem suas etapas remotas, será mais difícil, e mais caro, negar essas opções aos funcionários. Em outras palavras, verifica-se, uma enorme quantidade de reuniões (e consultas médicas e aulas) que realmente poderiam ter sido resolvidas em um e-mail.

Photo by MARCEL VAN HOORN/ANP/AFP via Getty Images

A banda holandesa DeWolff se apresenta em um local vazio, filmado e transmitido no Facebook, devido à proibição de reuniões para limitar a propagação do COVID-19, em 14 de março de 2020, em Maastricht, Holanda.

Um estilo de vida digital mais saudável

Talvez possamos usar nosso tempo com nossos dispositivos para repensar os tipos de comunidade que podemos criar através deles. Nos primeiros dias do nosso distanciamento social do coronavírus, vimos exemplos inspiradores. O mestre de violoncelo Yo-Yo Ma publica diariamente um concerto ao vivo de uma música que o sustenta. A diva da Broadway Laura Benanti convida artistas de musicais do ensino para enviar suas apresentações para ela. Ela estará assistindo; Lin-Manuel Miranda se junta à campanha e promete assistir também. Os empresários oferecem tempo para ouvir. Mestres instrutores de yoga dão aulas gratuitas.

Essa é uma vida diferente na tela. Isso está abrindo um caminho de generosidade e empatia humanas. Isso é olhar para dentro e perguntar: “O que posso oferecer autenticamente? Eu tenho uma vida, uma história. Do que as pessoas precisam?” Se, no futuro, aplicarmos nossos instintos mais humanos em nossos dispositivos, isso terá sido um poderoso legado da COVID-19.

via REUTERS ATTENTION EDITORS – THIS IMAGE WAS PROVIDED BY A THIRD PARTY. CHINA OUT. – RC23CF92UB8C

Um aluno assiste a uma aula on-line em casa porque o retorno dos alunos à escola foi adiado em Fuyang, província de Anhui, China, em 2 de março de 2020.

Um benefício para a realidade virtual

A RV nos permite ter as experiências que queremos, mesmo que tenhamos que estar isolados, em quarentena ou sozinhos. Talvez seja assim que nos adaptamos e nos mantemos seguros no próximo surto. Eu gostaria de ver um programa de RV que ajudou na socialização e na saúde mental das pessoas que tiveram que se auto-isolar. Imagine colocar óculos e, de repente, você está na sala de aula ou em outro ambiente comunitário, ou mesmo em uma intervenção psicológica positiva. Empresas têm solicitado que seus funcionários trabalhem remotamente.

A ciência reina novamente

A verdade e o seu emissário mais popular, a ciência, declinam em credibilidade há mais de uma geração. Como Obi-Wan Kenobi nos disse em Return of the Jedi, “Você descobrirá que muitas das verdades nas quais nos apegamos dependem muito de nosso próprio ponto de vista”. Em 2005, muito antes de Donald Trump, Stephen Colbert cunhou o termo “veracidade” para descrever o discurso político cada vez mais factual. A indústria de petróleo e gás vem travando uma guerra de décadas contra a verdade e a ciência, seguindo o mesmo esforço empreendido pela indústria do tabaco. No total, isso levou à situação em que os republicanos poderiam alegar que os relatórios sobre o coronavírus não eram de todo uma ciência, mas meras políticas, e isso parecia razoável para milhões de pessoas. Rapidamente, no entanto estamos nos familiarizando com conceitos científicos como teoria dos germes e crescimento exponencial. Diferente do uso do tabaco ou das mudanças climáticas, os que duvidam da ciência poderão ver os impactos do coronavírus imediatamente.

CRCRS (Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul) em um dos mais importantes treinamentos do ano “Imposto de Renda 2020” com mais de 1500 contadores inscritos para assistir a palestra 100% online.

A tirania do hábito

Os seres humanos geralmente não estão dispostos a partidas radicais de suas rotinas diárias. Mas a recente fantasia de “otimizar” uma vida, para obter desempenho máximo, produtividade e eficiência, criou uma indústria caseira que tenta fazer com que as vidas mais sombrias possíveis pareçam heroicas. O poder do hábito e os hábitos atômicos exortam a automatização de determinados comportamentos para mantê-los obedientemente sobrecarregados e contidos.

Mas o COVID-19 sugere que escutemos nosso senso comum, nossa imaginação, nossas excentricidades e não nossa programação. Uma abordagem mais expansiva e mais corajosa dos nossos hábitos e da existência cotidiana agora é crucial, incluindo nossos favoritos.

Saque e Pague lança sua nova marca e identidade visual no dia 23/03 para todos os seus colaboradores que estão trabalhando em Home Office.

Uma mudança na nossa compreensão de ‘Mudança’

“Mudança de paradigma” está entre as frases mais usadas no jornalismo. No entanto, a pandemia de coronavírus pode ser um caso em que se aplica. A sociedade americana está familiarizada com um modelo específico de mudança, operando dentro dos parâmetros existentes de nossas instituições democráticas liberais, principalmente mercado livre e sociedade de individualismo expressivo. Mas o coronavírus não apenas ataca o sistema imunológico. Como a Guerra Civil, a Grande Depressão e a Segunda Guerra Mundial, ela tem o potencial de infectar os fundamentos da sociedade livre.

Nossas noções coletivas do possível já mudaram. Se o perigo que o coronavírus representa tanto para a saúde individual quanto para a capacidade de saúde pública persistir, seremos forçados a revisar nossa própria concepção de “mudança”. O paradigma mudará.


Carlos Nunes é diretor e sócio da Hotmedia.com.br e colaborador do portal Plena Mulher. Texto baseado em matéria do site politico.com realizada com vários especialistas e formadores de opinião.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here