Setembro amarelo e o tabu com o tema

0
304
Imagem: Greenstock / Shutterstock

Mesmo com campanhas como o “Setembro Amarelo” que têm como alvo a prevenção, falar de suicídio ainda é um tabu.

Entretanto, é necessário expor o tema para que as pessoas fiquem atentas a qualquer sinal que possa surgir em alguém próximo a fim de prevenir que o pior aconteça.

O suicídio está presente em todas as classes sociais e pode acometer qualquer pessoa. Esse ano ainda temos a pandemia da Covid-19. O problema em si não desencadeia ondas de suicídios, mas o isolamento social, o afastamento das pessoas que poderiam perceber algum risco, sim.

Além disso, a presença de sofrimento e adoecimento psíquico prévios como a dependência química e quadros depressivos ou melancólicos, deixam essas pessoas mais vulneráveis com o distanciamento.

Sinais e Sintomas

Pessoas em risco de atentar contra a vida podem exibir alguns sinais que, para a maioria das pessoas, podem parecer irrelevantes. Um especialista em saúde mental conseguiria ler os sinais e sintomas que apontam para um risco aumentado e que não se reduzem à tristeza ou depressão.

Pessoas próximas podem ser de grande ajuda num primeiro momento localizando a necessidade de socorro. Porém, o acolhimento, o carinho e o suporte leigos não são suficientes para a resolução de crises.

É indicado que fiquem atentos aos sinais sutis e a encaminhem para um especialista que possa efetivamente ajudar aquele que sofre. Psicólogos e psicanalistas são profissionais de saúde mental preparados para o tratamento desses quadros.

É muito importante levar a sério o lamento, a expressão de dor de quem nos cerca. Aquela breve conversa pode ser o único e último pedido de ajuda. Caso você perceba algum indício de que há algo errado, ampare e direcione imediatamente para um profissional de saúde mental. Não duvide de pequenas queixas, pois a vida pode estar apenas por um fio.


Sandra Araujo Hott é psicanalista com formação e mestrado em psicologia pela UFRJ, é professora e supervisora clínica com 25 anos de experiência clínica e mais de 20 anos como professora e supervisora.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here