Educação: habilidades socioemocionais em jogo

0
237
Imagem: allycatfoxtrot / shutterstock

Para ajudar adolescentes a adquirirem competências que vão além do conteúdo disciplinar foi criado o Clube de Jogos de Tabuleiro.

Superar frustrações, colaborar para vencer desafios, discordar sem arrastar a divergência para o impasse e criar estratégias a partir de um conjunto regras são alguns dos saberes que os participantes do recém-criado Clube de Jogos de Tabuleiro desenvolvem no Colégio Stockler. Com frequência semanal, a atividade é aberta a alunos do Ensino Médio e baseia-se nos chamados jogos de tabuleiro modernos.

“São jogos com diferentes mecânicas e que dependem de estratégia e não de sorte para serem vencidos,” explica Ana Paula Severiano, professora responsável pela atividade.  “Dentre eles, há diversos cooperativos, em que a equipe precisa resolver uma tarefa em conjunto. Ou seja, não se trata de uma competição.”

Jogos Carcassone, Thebas e Catan

Alguns dos jogos preferidos pelos alunos são Carcassone, em que os participantes disputam territórios em uma cidade medieval; Thebas, em que arqueólogos competem por descobertas sobre civilizações antigas; e Catan, em que os objetivos estão ligados a trocas econômicas e à construção de cidades.

“Ao mesmo tempo em que abrimos espaço para a diversão, garantimos que ela ocorra em um ambiente completamente seguro para o adolescente”. “Ao mediar os encontros, deixo claro que qualquer fala ou gesto que desrespeite os colegas não será tolerado.”

Durante o Ensino Médio, é muito comum observar um aumento do stress entre os alunos. Conteúdos mais complexos, a iminência do vestibular, a ânsia pelo pertencimento ao núcleo social formado pelos colegas são fatores que contribuem para que muitos adolescentes entrem em crise. “Além de desenvolver habilidades reconhecidas como essenciais à vida adulta, o Clube de Jogos de Tabuleiro cumpre outras duas funções importantes: garante um momento lúdico, de descompressão, em meio a uma rotina escolar bastante exigente, e ajuda aqueles alunos que se sentem marginalizados socialmente a encontrar pontos de encontro com os colegas,” explica Kátia Ritzmann, orientadora educacional do Ensino Médio.


Ana Paula Severiano é professora de Redação, coordenadora do Clube de Jogos de Tabuleiro. Kátia Ritzmann é orientadora educacional do Ensino Médio, especializada em questões da adolescência. Colégio Stockler, escola fundada em 1998, na zona sul de São Paulo, que oferece Ensino Fundamental II e Médio. Uma característica importante do projeto formativo ensejado pela instituição é a preocupação em conjugar saberes de diversas áreas do conhecimento. Já na última série do Ensino Médio, apoiado em toda a experiência acumulada como um dos melhores pré-vestibulares do país, o Stockler passa a focar a preparação de seus alunos para enfrentar os processos seletivos para ingresso na universidade.

Personagens
L., aluna da 2ª série do EM: o pai é colecionador, joga com a família, contribuiu com jogos do próprio acervo para a escola.

A.E., aluna da 1ª série do EM: era uma aluna com grandes dificuldades de integração com sua turma, desse que começou a participar do clube, melhorou muito seu relacionamento com os colegas.

A.B., aluno da 2ª série: é o maior entusiasta da atividade e um dos grandes vencedores do clube.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here