Desidratação no verão: saiba como identificar e tratar

0
151
Imagem: congerdesign / shutterstock

No calor do verão, é importante prestar atenção à ingestão de líquidos para evitar um problema muito comum nessa estação do ano, a desidratação, que é a perda da água do corpo, incluindo eletrólitos vitais como sódio, cloreto e potássio.

A água representa cerca de 60% do peso corporal em adultos e até 75% do peso corporal em bebês (1). “Precisamos dela para funções importantes, como a regulagem da temperatura do corpo, a manutenção da saúde da pele e das articulações, a digestão dos alimentos, a remoção de resíduos e para auxiliar o cérebro a trabalhar em sua melhor forma”, afirma a nutricionista Patrícia Ruffo.

Em estágio mais elevado, a desidratação pode causar complicações sérias, como convulsões, insuficiência renal e queda no volume de sangue, o que consequentemente afeta a pressão arterial.

Pessoas de todas as idades, mesmo se forem completamente saudáveis, estão sujeitas a um quadro de desidratação, mas bebês, crianças e idosos estão especialmente propensas a esse risco.

“A desidratação se torna uma preocupação quando uma pessoa perde apenas 3% da água do corpo”. Para um bebê de 2,25 kg isso se traduz em apenas 236,5 ml (cerca de um copo de água pequeno), portanto, a desidratação pode acontecer rapidamente.

Quando se trata de adultos idosos, eles podem ter um baixo volume de fluidos por vários motivos diferentes. Um deles é que a sensação de sede se torna menos aguçada com a idade. “Eles podem simplesmente se esquecer de tomar água e nem perceber que não beberam líquido suficiente”.

Existem outras causas de desidratação, como, por exemplo: tomar medicações como diuréticos, que acabam desidratando a pessoa, ou evitar beber líquidos suficientes simplesmente para reduzir as idas frequentes ao banheiro.

Atenção aos Sintomas

A desidratação pode tornar a maioria das pessoas irritáveis e letárgicas, mas os sintomas podem variar de idade para idade. “Bebês podem não produzir lágrimas, ter a boca seca ou uma febre de baixo grau, e podem parar de molhar as fraldas. Os adultos podem apresentar tontura ou sentir sede, dor de cabeça, constipação ou pele seca, e a urina pode ser mais escura e concentrada do que o normal (geralmente transparente ou de cor amarela muito clara)”.

“Como os bebês são afetados rapidamente pela perda de fluidos, é fundamental ligar para o pediatra assim que suspeitar de uma desidratação e continuar com a alimentação normal, conforme necessário”.

Fluídos em primeiro lugar – e alimentos contam!

Caso as evidências apontem para a desidratação, um copo de água é um bom começo, mas também é possível prosseguir com uma solução de reidratação oral. “Quando perdemos fluido devido ao suor, ao calor, à diarreia e ao vômito, os corpos também perdem eletrólitos — como sódio, potássio e cloreto — necessários para manter o equilíbrio de fluidos e manter o sistema nervoso e músculos funcionando de forma adequada”. A reidratação oral pode ajudar a restaurar estes eletrólitos perdidos.

Não se deve usar água de coco, isotônicos, refrigerantes, sucos industrializados ou energéticos para reidratação, por apresentarem osmolaridade e conteúdo de sódio inadequados para a reposição hidroeletrolítica.

“Também é importante ter em mente que a hidratação não se trata apenas do que bebemos, pois, os alimentos somam aproximadamente 20% da ingestão diária de água. Por isso, opte por alimentos ricos em água como frutas, vegetais, aveia, sopa, iogurte entre outros”.


Patrícia Ruffo é nutricionista e Gerente Científico da Divisão Nutricional da Abbott no Brasil
Referência: 1.Barry M. PopkinKristen E. D’Anci, and Irwin H. Rosenberg. Nutrition Reviews. Water, Hydration and Health. 2010. Disponível em: https://academic.oup.com/nutritionreviews/article-abstract/68/8/439/1841926?redirectedFrom=fulltext

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here