Formigamento nas pernas pode ser um sinal de algo errado no Sistema Vascular ou Neurológico

0
270
Imagem: Divulgação / Alika Comunicação

Formigamento nas pernas é conhecido como parestesia, um sintoma comum neurológico, mas que leva as pessoas ao cirurgião vascular muito frequentemente. A parestesia pode ser um sinal de que alguma coisa pode estar errada com o sistema vascular ou com o sistema neurológico e é muito difícil separar as causas.

A sensação geralmente se dá quando a pessoa deita de mau jeito por cima do braço ou perna, mas existem outras causas e deve-se ficar atento. “A dormência é uma reação natural do corpo quando o nervo é pressionado ou falta sangue na região, a maioria das pessoas já sentiu aquele choque seguido de um formigamento no braço após uma pancada no cotovelo. Nesses casos, basta mudar de posição ou movimentar-se para dissipar tal sensação. Em outros casos, esses sintomas são recorrentes e aí existe a necessidade de investigação médica”, afirma Dr. Alexandre Amato, cirurgião vascular, endovascular e ecografista.

Doenças que podem levar ao formigamento como sintoma:

Doença venosa – Quem tem problemas de varizes tende a sentir peso e cansaço, queimação, inchaço no tornozelo no final do dia, cãibras (principalmente noturnas) e formigamento nas pernas.

Aterosclerose – O problema se dá quando as placas de gordura estreitam e endurecem a parede arterial. Acometem com mais frequência o coração, mas também podem afetar os membros inferiores, causando a chamada doença arterial periférica, que tem como sintoma o formigamento nas pernas. As causas do problema estão diretamente relacionadas ao tabagismo, diabetes, obesidade, hipertensão arterial sistêmica e colesterol elevado. Além disso, a doença é mais comum em pacientes com idade avançada (acima dos 60 anos) e com histórico familiar de doença cardíaca, acidente vascular cerebral e doença arterial periférica.

Neuropatia diabética do pé diabético – Quem tem diabetes e não controla o nível de açúcar no sangue, pode sofrer graves consequência com o desenvolvimento de outras doenças, como a neuropatia diabética: danos nos nervos por conta da alta quantidade de glicose sanguínea. O diabetes é uma doença que afeta os vasos sanguíneos, tanto os grandes quanto os pequenos, mas começa na microcirculação, vasos que irrigam os nervos, que funcionam como se fossem condutores que vão transmitir ao cérebro informações como frio, calor, dor, pressão, etc, e precisam receber sangue com oxigênio para funcionarem bem. No caso do diabetes, ocorre uma diminuição do oxigênio que chega aos nervos, o que pode gerar a inflamação, levando ao mau funcionamento dos nervos e causando a neuropatia periférica, que pode aparecer como parestesia/formigamento nas pernas.

Hérnia de disco – É uma compressão neurológica, cuidada pelo neurocirurgião. A má postura é considerada a grande vilã das patologias envolvendo coluna vertebral, como as hérnias de disco, pelo fato de haver uma pressão, com inflamação e compressão da raiz nervosa, que por vezes, causa dores insuportáveis. O tratamento fisioterápico é bastante indicado, como o pilates (melhora da postura, mobilidade, flexibilidade da coluna vertebral, além de melhor distribuição do tônus muscular e fortalecimento do abdome) e RPG. Sugerimos a consulta com um neurocirurgião.

Mau posicionamento do corpo – Uma das causas mais comuns que provocam formigamento nas pernas e nos pés é ficar sentado, deitado ou parado na mesma posição durante muito tempo, como por exemplo ficar sentado em cima de uma perna, provocando a compressão do nervo no local. Postura inadequada é uma causa frequente de formigamentos.

Polineuropatia periférica – A polineuropatia periférica caracteriza-se por alterações nos nervos do corpo, fazendo com que a pessoa sinta muita dor, formigamento nas pernas, falta de força ou ausência de sensibilidade em algumas regiões específicas do corpo.

Pânico, ansiedade e estresse – Situações de estresse e ansiedade extremos podem provocar sintomas como formigamento das pernas, mãos, braços e língua, podendo ser acompanhados de outros sintomas como suores frios, palpitações cardíacas e dor no peito ou na barriga.

Esclerose múltipla – Doença crônica que se caracteriza por uma inflamação, na qual são destruídas as camadas de mielina que recobrem e isolam os neurônios, prejudicando assim a transmissão de informação que controla os movimentos do organismo como falar ou andar, levando à invalidez. Além de provocar sensação de formigamento nos membros, nesta doença também podem se manifestar movimentos involuntários nos músculos e dificuldade para caminhar.

Bériberi – Doença causada pela deficiência em vitamina B1 que pode causar sintomas como cãibras musculares, visão dupla, confusão mental e formigamento nas mãos e nos pés.

Síndrome de Guillian-Barré – Doença neurológica grave que se caracteriza pela inflamação dos nervos e fraqueza muscular, podendo levar a morte. Na maior parte dos casos é diagnosticada após uma infecção provocada por um vírus, como dengue ou zika, por exemplo. Um dos sintomas mais comum é o formigamento e perda de sensibilidade de pernas e braços.

Mordida e picadas de animais e insetos – A mordida de alguns animais como abelhas, cobras ou aranhas podem provocar formigamento no local, podendo ser acompanhado de outros sintomas como inchaço, febre ou queimação, por exemplo.

Independente de qual seja o problema que levou ao formigamento nas pernas, é importante seguir o tratamento corretamente, pois a parestesia pode retornar.


Dr. Alexandre Amato é cirurgião vascular, endovascular e ecografista, doutor em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP). Professor de Cirurgia Vascular da Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro (UNISA). Título de Especialista em Cirurgia Geral pelo Colégio Brasileiro de Cirurgiões. Título de Especialista em Cirurgia Vascular, Endovascular e Andiorradiologia pela Associação Médica Brasileira (AMB) e Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV). Título de Especialista em Ecografia Vascular pelo Colégio Brasileiro de Radiologia (CBR). Diplomado pela Faculdade de Medicina de Sorocaba – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here