Retração gengival: como evitar e tratar

0
959
Imagem: Giuliamar / Shutterstock

Problema que pode acometer até mesmo bocas saudáveis, atinge mais da metade da população adulta e pode ser evitada através de dicas simples.

Muitas pessoas sentem uma súbita dor aguda e curta ao ingerir algo gelado ou quente. Essa dor pode ser o indício de retração gengival, problema que chega a afetar metade da população brasileira adulta. Conhecida por causar a hipersensibilidade nos dentes, sangramento na escovação, mau hálito e até a sensação de que os dentes estão “moles”, a recessão gengival é causada por fatores diversos. Entretanto, de acordo com o especialista em implantodontia e odontologia estética, Dr. Paulo Coelho Andrade, há como prevenir o problema e até trata-lo.

A retração gengival acontece quando o tecido da gengiva retrai expondo a raiz do dente, chamada dentina e ocasionando hipersensibilidade ao quente, frio, ácido e doce – um dos principais sintomas do problema. Uma das causas mais comuns é a escovação incorreta. Aplicar uma força excessiva e/ou utilizar uma escova com cerdas duras, traumatizam o tecido, fazendo-o retrair. “Apesar da escovação estar atrelada à maioria dos casos, doenças periodontais e o avanço da idade também são responsáveis por causar a recessão gengival”, explica o profissional. Outro grande causador de retração gengival é o bruxismo, que é o ato de se apertar ou ranger os dentes à noite e/ou durante o dia.

retracao-gengival-portal-do-sorrisoDeve-se manter a máxima atenção a este mal, pois ele pode desencadear problemas mais sérios. “Em uma analogia simples, é como se a retração abrisse uma janela para outros possíveis problemas. Além de infecções como a gengivite ou doença periodontal, em casos mais graves, podem surgir complicações sistêmicas, pois a corrente sanguínea pode ficar exposta a bactérias nocivas”. Ele ainda conta que, em muitos casos, se o problema não é tratado, o paciente pode sofrer de perda óssea e, consequentemente, perda de dentes.

Em ocorrências mais simples, uma limpeza especial (raspagem e alisamento radicular) associada a bons hábitos orais resolvem o problema. Já para os casos mais graves, o paciente é submetido a uma cirurgia para enxerto de gengiva. Este procedimento é realizado com o objetivo de não permitir o avanço da retração. Além disso, o preenchimento de tecido auxilia a regeneração da cobertura da raiz do dente. O tratamento com facetas também pode ser indicado.

Por ser um problema gradativo e desencadeado por causas distintas e fáceis de lidar, o melhor tratamento é a prevenção. “Optar por escovas de cerdas macias, aplicar uma força moderada durante a escovação, realizar uma higiene bucal eficiente, ir periodicamente ao dentista, além do uso de placas de bruxismo, são ações simples e eficazes na prevenção de futuras dores de cabeça em relação à gengiva”.


Paulo Coelho Andrade é Mestre em Implantodontia pelo Centro de Pesquisas Odontológicas de Campinas e especialista em Implantodontia pela Associação Brasileira de Odontologia, ambos os títulos reconhecidos pelos Conselhos Estadual e Federal de Odontologia, já realizou mais de 50.000 implantes e 20 anos em implantodontia. Autor de vários artigos científicos, publicados dentro e fora do país, também é pós-graduado em Fixação Zigomática, Periodontia, Cirurgias Avançadas, Sedação e Odontologia Estética. www.implantodontia-mg.com.br

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here