Primeira impressão é a que fica

0
383
Imagem: FotografieLink / Shutterstock

A importância da primeira impressão e como se preparar para essas situações.

Com o passar do tempo, o ambiente empresarial está diminuindo as exigências quanto à aparência. Uma conquista das últimas gerações para ganhar espaço com singularidades como tatuagens, cabelos diferentes e roupas não tão sociais, dando mais valor ao diferencial de cada profissional. Porém, nesse novo cenário com regras sociais em processo de mudança, a preocupação de gerar uma boa primeira impressão ainda é a mesma.

“A primeira impressão é a que fica”, apesar de ser um ditado antigo, ainda é bastante válido tanto no âmbito profissional quanto no pessoal. Segundo a Coach formadora de líderes Rebeca Toyama, “nós nos relacionamos com a imagem que fazemos das pessoas, e mudar essa imagem é uma tarefa difícil. A impressão permanece no subconsciente e pode determinar o sucesso em um encontro, entrevista de emprego ou reunião com clientes.”

O centro de Psicologia da Universidade de Princeton afirma que as pessoas podem fazer julgamentos sobre o grau de confiança e competência de alguém em menos de um décimo de segundo após olhar para o rosto da pessoa.

Mesmo com a maior abrangência do mercado para características pessoais não usuais, se adequar ao código de vestimenta que o ambiente pede ainda é uma característica importante a se ater, principalmente quando é a primeira vez naquele local ou com aquelas pessoas. A aparência não é o único ponto influenciador na primeira impressão, muito pelo contrário:

“É importante estudar um pouco sobre as pessoas e o ambiente que está se dirigindo. Uma tatuagem pode não impactar no seu profissionalismo, mas um comentário de cunho político, religioso ou até crenças sociais mais ‘leves’ devem ser evitadas ou analisadas com atenção.”

Além disso, a leitura corporal também deve ser levada em conta. Às vezes, sem perceber, o corpo e expressões denunciam os pensamentos, e isso prejudica a visão de quem está recebendo aqueles sinais.

“Mãos cruzadas, evitar olhar nos olhos, expressão tediosa e inquietação são sinais de ansiedade e, muitas vezes, passam a impressão de falta de interesse. Na comunicação, principalmente no trabalho, é preciso passar confiança na própria fala. Para isso, sorriso, mãos abertas, fala firme e os olhos nos olhos são pontos imprescindíveis.”

Outra pegadinha quando se trata de primeira impressão, é que quando criamos uma imagem de um funcionário, amigo, colega de trabalho ou até parceiro romântico, ela é difícil de ser desconstruída. “Todos “a priori” evoluem, o tempo inteiro. Porém, pode levar mais tempo do que você precisa ou gostaria para os demais perceberem a mudança. A imagem que criamos inconscientemente é fixada na mente e mudá-la exige muito mais tempo que criar uma do zero. Melhorar é importante, claro, mas não iremos ser reconhecidos logo de cara.”

Diversas vezes, clientes de todos os cargos a procuram relatando que colegas de trabalho não repararam as melhorias que se esforçaram para resolver e, muitas vezes, reagiam como se ele não tivesse mudado, inclusive os novos colaboradores. Nesses momentos, a pessoa que está na nossa frente não está falando exatamente conosco, mas sim com a imagem que criaram de nós e ainda não mudou. “Basta lembrar de como nossas mães nos tratam…”

“Aquele colaborador recém-contratado que antes de conhecê-lo pessoalmente já recebeu sua ficha completa de outros, e, para piorar, no primeiro encontro presencial você não estava num bom dia, provavelmente vai te classificar de uma forma diferente da que você gostaria ou da que você realmente é.”

Nestes pontos as dicas sobre como causar uma boa impressão no início de qualquer relacionamento, especialmente profissionais

Visual

  • Procure pesquisar sobre o código de vestimenta do ambiente e do evento previamente
  • Não tem problema adicionar uma característica individual, desde que se encaixe no ambiente;
  • Sorria! O bom humor e a gentileza mostram interesse na atividade que está realizando.

Fala

  • Procure não deixar a ansiedade transparecer. A confiança ao passar informações faz diferença na imagem que você passa ao ouvinte;
  • Olhe nos olhos, desviar o olhar dá a entender que está escondendo alguma coisa ou não tem certeza do que está dizendo;
  • Escute: em reuniões, por exemplo, a comunicação assertiva também é relacionada ao ouvir a opinião de todos os presentes.

Corpo

  • Cuidado com posições fechadas parece que está desinteressado e fechado para novas interações;
  • Olhar para o chão ou para o teto transparece tédio e distração;
  • Aqui a dica não é deixar de ser quem você, mas sim respeitar o ambiente para se fazer ouvido e notado de forma construtiva. Lembre que uma característica nossa não deveria aparecer mais que nossas virtudes e talentos.

Rebeca Toyama é palestrante e formadora de líderes, coaches e mentores. Fundadora da Academia de Coaching Integrativo, sócia-coordenadora da Academia de Planejamento Financeiro da GFAI, coordenadora do Programa de Mentoring associada a Planejar (Associação Brasileira de Profissionais Financeiros) e fez parte da Comissão de Recursos Humanos do IBGC (Instituto Brasileiro de Governança Corporativa).

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here